Livro de contos retrata universo popular das músicas bregas

 

Ciúmes, traições, desilusões amorosas, prostituição, conflitos familiares. Estes são alguns dos temas abordados nas histórias do livro Contos Bregas. A obra, incluída no selo Jovens Escribas, é de autoria do jornalista potiguar radicado em Fortaleza, Thiago de Góes, e tem prefácio escrito pelo cantor brega cearense Falcão.

 

Com estilo direto e objetivo, o autor cria histórias realistas e até sobrenaturais, a partir do universo popular retratado pela música brega. Cada uma delas foi inspirada e epigrafada por versos de canções de Reginaldo Rossi, Waldick Soriano, Fernando Mendes, Odair José, Carlos Alexandre e outros.

 

Segundo o autor, a idéia do livro surgiu como uma homenagem a estas canções populares, e como uma forma de unir duas paixões: música e literatura. “Além disso, a música brega é uma fonte riquíssima de situações e personagens comuns aos dias atuais”, explica.

 

Ele informa que escreveu o primeiro conto inspirado na canção Garçom, de Reginaldo Rossi, e mandou para os amigos, por e-mail. Na história, o garçom divide seu ofício escrevendo cartas por encomenda para amantes apaixonados. Um de seus clientes é o homem cuja ex-mulher vai se casar, conforme prega o famoso refrão da música. “Muitas pessoas responderam elogiando e pedindo histórias inspiradas em outras músicas”, lembra o autor.

 

Thiago afirma que os pedidos foram tantos que ele decidiu fazer um blog (www.contosbregas.zip.net), no qual publicava trechos de alguns contos, além de notícias e informações gerais sobre a cultura brega. “Os comentários dos internautas, a grande maioria desconhecidos de outras partes do país, me incentivaram cada vez mais. Então, quando surgiu o convite dos Jovens Escribas, não tive dúvidas sobre o tema do livro”, diz. Hoje, o blog Contos Bregas já foi visitado mais de 15 mil vezes.

 

“Muitos artistas populares já confessaram que compõem suas músicas de dor-de-cotovelo inspirados em histórias reais, vividas muitas vezes por eles mesmos. Eu tentei fazer o caminho inverso, partindo das músicas para criar as histórias”, explica o autor.

 

As obras do selo literário “Jovens Escribas” são publicadas com patrocínio da Art&C, através da lei de incentivo à cultura Djalma Maranhão; e do Banco do Nordeste, por meio do Programa BNB de Cultura 2005, uma linha de patrocínio direto do BNB, para apoio à produção e difusão da cultura nordestina, mediante seleção pública de projetos.